quinta-feira, 27 de outubro de 2016

O CUCKOLD ou CORNO MANSO



Depois de anos resolvi tirar a poeira do blog e dos meus dedos e ativar o blog novamente, me surpreendi com a quantidade de mensagens que sempre me pediam para retornar com as postagens pois, no começo as fazia como um hobbie, um estudo solitário nas horas vagas. Então atendendo a pedidos tentarei postar uma nova matéria toda sexta. Por isso se programe.
  Tenho um casal de amigos que a muito tempo tinham uma tara em comum, um terceiro membro na hora do sexo mas não era uma mulher como muitas mulheres esperam ser de desejo de seus marido e sim, um homem. O marido de Bruna começou a descobrir um novo desejo sexual, ver sua amada sendo fodida por outro homem. Quando se desenvolveu essa tara? vamos lá.
   Bruna antes de namorar com Pedro (estão juntos a 5 anos) já havia transado com muitos outros caras, já havia tido muitos outros relacionamentos até encontrar Pedro. Pedro era um rapaz estudioso, técnico em computação e nas horas vagas guitarrista de uma banda e claro, teve apenas dois relacionamentos antes de Bruna ao qual, só um deles houve sexo.
   Nas primeiras semanas de namoro com Pedro, Bruna não fez rodeios e logo puxou seu futuro marido para transar. Nas primeiras semanas tudo era maravilhoso até que Bruna descobriu que Pedro era extremamente ciumento, veio até mim e me perguntou o que poderia fazer. Como amigo dei o pior conselho que se poderia dar, "conte suas experiencias sexuais passadas a cada vez que for transar". A principio ela achou que fosse um absurdo mas, chutei que esse ciúmes do passado acabasse se tornando uma pimenta a mais na relação dos dois, se tornando uma tara dele.... acertei. Em menos de 6 meses Pedro começou a se masturbar pelas histórias de transas passadas de sua esposa e com isso se tornando uma vontade de vê-la sendo possuída por outro. Mas será que isso é algo tão estranho assim e anormal? a resposta é NÃO.

NÃO É TRAIÇÃO



  De acordo com o wikipedia o termo Cuckold  vem do inglês cuckoo e faz referência à ave enganada pelo cuco a incubar os seus ovos e criar os seus filhotes. O termo em inglês foi adaptado do seu significado normal, que significa corno. Assim, uma pessoa "cuckold" é aquela que gosta de imaginar, de saber ou de ver, o próprio companheiro tendo prazer com outra pessoa (ou pessoas). Pode ter origem em diferentes interesses passando pelo prazer no ciúme, submissão, humilhação, prazer e medo da traição, voyerismo.  
   Curiosidades etimógicas da palavra à parte, a verdade é que a cornitude, ou melhor dizendo, a virtude de ser corno é um fetiche sexual como qualquer outro fetiche. Neste caso, o cuckold tem um tesão elevado a altos níveis cada vez que sabe ou vê que sua mulher esteve ou está fudendo com outros machos.O cuckold se diferencia do voyeur típico, porque o voyeur tem seu tesão elevado quando ele vê qualquer pessoa fazendo sexo. Já o cuckold, não é qualquer pessoa que ele quer ver;o seu tesão é em ver sua namorada ou esposa sendo comida e tendo prazer com outro. A sua mulher sentindo prazer sexual é o seu objeto de fetiche, a mulher do cuckold é a sua fêmea-rainha, é a sua fonte de prazer. É um fetiche delicioso que envolve, além do corno,  outros dois personagens: a esposa ou namorada infiel e o varão comedor da mulher do outro. Sem um desses três personagens essa fantasia não se completa.
    É muito raro de se encontrar uma mulher cuckold, mas há. Porém, esse fetiche é muito comum nos homens. É grande o número de homens que sente um imenso tesão só em imaginar sua mulher sendo comida por outro; acontece que a maioria desses homens costumam esconder esse desejo a sete-chaves, outros chegam até reprimi-lo com certa violência e acabam até batendo nas esposas, quando em realidade querem esconder de si mesmos que tiveram tesão diante da hipótese de uma traição. Em verdade, esses homens não conseguem romper com os ditames sócio-culturais com que foram criados e acabam não conseguindo lidar bem com seus desejos secretos.
    É muito mais fácil um gay assumir em sociedade sua preferência homossexual do que um cuckold assumir perante amigos e família que gosta de ser corneado. A traição é tão antiga quanto a espécie humana, porém, vivemos numa sociedade hipócrita, com a hipocrisia tão antiga e cristalizada quanto a idade da espécie humana.Entretanto, em algumas culturas a prática cuckold é tida como normal. Os esquimós, por exemplo, têm por costume oferecer sua esposa para transar com o viajante que se hospeda em seu iglu. Infelizmente na nossa cultura ocidental-cristã uma mulher infiel leva a pecha de prostituta e o corno, quando manso, é mais apedrejado que a adúltera. Pura hipocrisia social!

O PERFIL DO CUCKOLD



Muito se lê na internet sobre casais liberais onde a mulher dá para todo mundo, em qualquer lugar, para amigos do marido , vizinhos e pessoas próximas da vida social do casal. Bem, isso pode acontecer em raros casos, mas a prática geral não é essa. Geralmente o casal mantem uma vida dupla, uma social onde se preserva valores "considerados socialmente" corretos e outra onde se realizam as fantasias sexuais. Desta forma tem-se dois círculos de amizades distintos e que não se comunicam, protegendo principalmente filhos e familiares.
A verdade absoluta é:
      Homens com perfil de Corno Manso (Cuckold) tem cotidiano absolutamente igual a qualquer outra pessoa. Ou seja, possuem cotidiano da vida familiar, profissional, tem responsabilidades sociais (tradicional), professam fé, e igualmente a todos nós convivem com preconceitos sociais.
O Cuckold é ativo e viril sexualmente, faz amor regularmente com sua amada (seja antes, durante ou depois do outro cara). Ocorre que, um Cuckold sente mais prazer em fazer amor depois que amada tenha feito sexo com outro macho. Via de regra, durante a transa o corno obedece o que a mulher manda. Ela pode barrar a qualquer instante as iniciativas dele e dar as ordens para ele só assistir, sair do local, ou fazer o que ela tiver vontade.
  Uma questão muito comum é “O corno quer que o comedor o coma também?”
Resposta: Esse é um dos maiores enganos em relação ao corno! Para o Cuckold autêntico, a sua satisfação está ligada ao prazer da sua mulher e a maioria os cornos são 100% heterossexual e não aceitam o Bissexualismo. Muito embora haja cornos bissexuais, mas são exceção.  Já os homens com afinidades com outros homens, não são Cuckold. Eles forjam uma situação cuckold porque, na realidade, estão na busca da sua satisfação homossexual e não da satisfação de sua mulher.

Os Cuckold são carinhosos, dedicados a amada, protetores, gostam de cuidar, são prestativos e estão sempre aptos a socorrer a amada. Em quase 90% dos casos, o Cuckold costuma ser fiel à sua mulher, o que a maioria dos homens comuns não são.
    Socialmente homens com perfil de Cuckold são subjulgados, desrespeitados  e motivo de piadas inconvenientes. Mesmo que quem pratique esse tipo de bullying um dia já tenha sido ou é chifrudo. A hipocrisia social é tanta que “se ninguém sabe o cara é fodão. Se a sociedade sabe o cara é um frouxo, babaca, fraco, capacho etc”. E por isso socialmente se preocupam com a imagem individual (dele e dela), assim como a imagem do casal. Pois, o tem consciência de que expor a intimidade do casal no circulo social é prejudicial (pela falsa moral social).    Cuckold não gosta de traição. A traição em geral leva o casal a brigas e separação. Cornos Mansos (Cuckold) aceitam diversas situações, as mais comuns são: Estar junto com a amada nas aventuras; consentir previamente a saída (transa) da amada (sózinha) com outro cara.

"Traição é o mesmo que enganar alguém, trapacear no relacionamento, mentir, excluir o parceiro."

Quando há honestidade na relação, cumplicidade, respeito entre o casal e principalmente quando há amor entre o casal não há traição, há consentimento, aí sim podemos dizer que aí se concretiza o “chifre”, objeto tão desejado de todo Cuckold.
Nenhum Cuckold pensa igual. Nem sempre gostam das mesmas coisas. Cada Cuckold tem sua particularidade em aceitar e sentir prazer no “chifre”.

O PERFIL DO COMEDOR



 Existem diversos tipos de comedores ou, o tipo de cara ao qual completará a tara do Cuckold,
     Machos fixos: o casal escolhe poucos parceiros para a esposa, desenvolvendo com cada um deles uma relação mais próxima, transando com certa frequência, muitas vezes tornando-se (quando ainda não são) até amigos da família. A desvantagem é que essas pessoas precisam ser muito confiáveis caso o casal deseje discrição e que esse estilo de vida não se torne público, além de ter que haver maturidade de todos para que não surjam sentimentos além de amizade nessa relação (pois amor de marido e esposa só deve ocorrer entre o casal original). A vantagem é que, por ser um “sexo estável” com essas poucas pessoas, com o tempo, caso sintam segurança e confiança para isso, podem todos os envolvidos realizar exames médicos periódicos, para garantir que ninguém tenha nenhuma doença sexualmente transmissível e então transarem com mais liberdade, até mesmo sem preservativos, pois o “comedor” será quase um “segundo marido” (mas sem sentimento de esposo envolvido). Outra vantagem é que por serem tão próximos, a esposa poderá sair com esse “amigo”, se encontrarem sempre (não só para sexo), trocarem favores e serem realmente como “melhores amigos, com o diferencial de transarem quando desejam”. É como um “amante com consentimento do marido”.



  Machos variados: o casal decide que não desejam vínculo com nenhum parceiro. Então procuram clubes liberais (como “casas de swing”), encontram um parceiro atraente para transar com a esposa e depois do sexo vão embora sem deixar nenhum contato. As desvantagens é que a mulher precisa aprender a se entregar a um estranho, além de ficar limitada durante a transa e ter que tomar ainda mais cuidados para realizar um sexo seguro. Também há limitação de local, pois não pode sair com um estranho em um lugar que não seja seguro. As vantagens é que o casal tem mais segurança para manter o anonimato, não precisam ficar procurando ou fugindo do “comedor” e não precisam ficar se preocupando com contatos frequentes para manter a “amizade colorida” como no primeiro caso.
    Aconselho escolher de inicio um cara legal e sigiloso, que não seja daqueles que espalha para todos, que não seja um cara do seu meio, pode até ser do dela, e claro que sua esposa sinta tesão nele.

E A PEÇA MAIS IMPORTANTE: ELA



Uma das maiores dificuldade de se tornar um corno, é convencer a esposa a entender que você simplesmente quer levar chifre.
    Geralmente os cornos começa a fantasiar isso durante as transas, ai depois de algum tempo a esposa começa a não gostar da ideia, achando que seu marido não a ama, e por isso quer que ela transe com outro, bem diante deste problema, o corno tem que ter muita paciência, contar isso para esposa pode e deve levar meses.
Em primeiro lugar, é preciso ter uma relação franca, na qual priorizem a sinceridade e confiança.
    A primeira abordagem é sempre a mais difícil. Afinal, como quebrar o gelo de contar para a parceira que você quer vê-la com outro cara? Se não tiverem nenhuma outra prática liberal anterior, dar o primeiro passo pode parecer mais complicado ainda. Uma dica para dar o primeiro passo: quando estiverem tendo uma conversa indecente, incentive-a a compartilhar suas fantasias mais secretas. Quando for a sua vez, conte sobre sua vontade.
   Se ela parecer meio receosa, achando que é uma espécie de “teste” para saber se ela quer transar com outros caras, seja sincero e desconstrua essa imagem. Descreva os detalhes, mostre-se animado com essa tara. Deixe bem explícito sua vontade e ela perceberá que não é nem de perto um teste.
   Dê detalhes, diga como imagina a cena. Foque no que mais te atrai nesta ideia e deixe a sua parceira perceber o quanto isso te excita. Caso ela se mostre predisposta a topar realizar esta fantasia, conte alguns detalhes quando estiverem transando e peça a ela para imaginar a cena e lhe contar. Construam essa fantasia juntos.


   Nunca tome a atitude de realizar você mesmo. A ideia é de deixar ELA tomar essa atitude. Só o  faça realmente se tiver certeza sobre o que quer, estabilidade e confiança no seu relacionamento, pois ela pode querer te larga por isso. Novamente ela vai ter uma crise de insegurança, e você tem que estar firme com ela, dizendo sempre que se ela não quiser fazer não tem problema, não force a barra de jeito nenhum.
    E pra finalizar, BRUNA e PEDRO o casal do começo dessa matéria realizaram no final do ano passado a fantasia. Foi com um amigo de Pedro e embora pedro nesses 5 anos já a tivesse traído antes umas 3 vezes, ela se manteve fiel e o perdoou. Entendo que realizar uma fantasia desse nível foi como uma lavada na alma de Bruna que, me confessou nunca ter sentido prazer igual e para Pedro, uma forma de recompensar pelos desvios 3 anos atrás. Mas enfim, hoje ambos continuam mantendo a prática e Pedro é fidelíssimo e feliz, e sexo não é isso, trazer felicidade?
Abraço a todos e até a próxima



Fontes: vivamaisprazer, domadoradecorno, seuprazer.net, revistadocorno, cristagostosaeliberal

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...